Cuidado com o “Template” de seu WordPress

O “template” de seu WordPress é o responsável pela aparência do blog, mas não só. Ele também tem implicações de segurança e desempenho que se não forem observadas podem acabar com um trabalho de anos.

Cuidado com o “Template” de seu WordPress

Que o template — ou “tema” — do WordPress é aquele conjunto de códigos responsável pela identidade visual do blog, é uma das primeiras coisas que as pessoas aprendem quando começam a publicar online. Mas nem só de boa aparência vive um site: um template mal escrito pode implicar problemas de grande extensão, talvez até prejudicando um trabalho árduo de muitos anos.

Embora este artigo esteja mais focado no “tema” do WordPress, os cuidados com os plugins são semelhantes, já que trata-se igualmente de código adicionado ao blog com potenciais destrutivos equivalentes.

Templates com código ruim

Há templates por aí que têm uma irritante característica: código ruim.

Por “código ruim” entenda-se:

  • desnecessariamente extenso;
  • lento;
  • incompreensível, de difícil manutenção;
  • que parece fazer uma coisa e faz outra;
  • que contém características ocultas, que podem ser inserção de links sem o conhecimento do dono do blog, envio de informações sigilosas para o autor do tema ou terceiros, código para instalar vírus no computador dos visitantes, ou outros.

Há outras características que fazem um template ser ruim (como não ter responsividade, por exemplo, inconcebível nos dias de hoje), mas vamos nos ater à questão do código.

Templates piratas

Cuidado com o "Template" de seu WordPress

O principal vetor de templates com código ruim, sem dúvida, são os temas piratas.

Por mais tentadora que seja a ideia de usar sem pagar um tema que está à venda em algum lugar, normalmente esta é uma péssima ideia.

Não estamos aqui fazendo nenhum juízo de valor, até porque a licença do WordPress garante que tudo o que for produzido como derivado do WordPress deve ser distribuído na mesma licença, ou seja, gratuitamente.

O problema é que as pessoas não redistribuem os temas piratas inalterados. É normal que se injetem códigos que fazem envio de spam, mineração de moedas virtuais, roubo de visitas, ou outras atividades no mínimo questionáveis.

Temas “Premium” com Código Ruim

Quem dera todos os problemas fossem causados por quem modifica temas pagos para inserir “malware” neles.

Existem temas pagos muito conceituados, como os da MyThemeShop, que simplesmente são tão mal escritos que exigem servidores, três, cinco, dez vezes maiores para dar conta de um processo inútil que eles não permitem desativar (é necessário conhecimento de programação para modificar um código): uma contagem de visualizações de cada post que não é utilizada em nenhum lugar (essa estatística não pode sequer ser visualizada).

Para fazer isso eles utilizam um código que a cada visualização de post gera uma requisição AJAX que insere um registro no banco de dados, o que, em outras palavras, significa a invalidação do cache daquela página.

Só quem já viu sites de média para alta visitação consumindo recursos de processamento absurdos para fazer ideia do quanto esses temas são ruins.

Problemas causados pelos temas ruins

Sendo objetivos: nenhum problema é grande o suficiente se não afetar o desempenho do site nas SERPs (páginas de resultados dos buscadores).

Um tema ruim vai causar problemas sérios para o SEO de um site porque:

  1. ao afetar o desempenho do servidor o site fica lento, e sites lentos não são bem vistos pelo Google;
  2. temas que inserem códigos maliciosos no site fazem com que este fique marcado como inseguro, e o Google não gosta de sites inseguros;
  3. links ocultos no código levam o Google a interpretar o site como parte de uma fazenda de links, ou seja lá qual for o nome que se dê para esta prática;
  4. como os links são ocultos e é impossível saber para onde estão apontando, o site pode estar sem querer endossando sites criminosos, com discurso de ódio, ou disseminadores de vírus, o que também é péssimo para o SEO.

Como evitar temas problemáticos

Não é tão difícil assim evitar temas ruins. Basta evitar temas de origem duvidosa, dando preferência ao desenvolvimento de sites exclusivos com profissionais qualificados.

Se o orçamento estiver apertado também é possível ser bem atendido com temas gratuitos, tanto os disponíveis no diretório oficial de temas do WordPress (e você encontrará coisas muito boas lá) quanto temas gratuitos desenvolvidos por produtores profissionais que disponibilizam parte de seu trabalho gratuitamente para a comunidade.

Leitura adicional

Para mais informação sobre o assunto recomendamos a seguinte leitura: Temas grátis para WordPress: onde baixar e quais cuidados tomar.

E é claro: se tiver qualquer dúvida sobre o assunto ou precisar de ajuda específica, nosso suporte estará ao seu dispor, é só abrir um chamado.


Foto: David Dibert no Unsplash

 

Quero ser cliente da PortoFácil!Contato

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 4.68
Total de Votos: 47

Cuidado com o “Template” de seu WordPress

Compartilhe

Publicado por Janio Sarmento – 23 de Abril de 2018