Cache da Cloudflare: vale a pena?

Quero ser cliente da PortoFácil!Contato

 

Recentemente muita gente tem recebido um email da Cloudflare alegando que o site “tal” poderia beneficiar-se de uma melhoria de “tantos por cento” (em meus sites a variação foi de 12% a 35%) na latência, o que economizaria não sei quantas horas por ano em velocidade de navegação pelo site.

Alguns clientes perguntaram para nós se valeria a pena habilitar o cache da Cloudflare para obter o suposto benefício, e nossa resposta sempre foi a mesma: depende.

No presente artigo pretendemos explicar de maneira simplificada por que cada caso é um caso, bem como ajudar os indecisos a tomar a melhor decisão baseado na sua própria realidade.

O que é latência

A latência de rede é a medida de quanto tempo um pacote mínimo de informação demora para sair de um ponto e chegar ao seu destino. É o popular ping de rede.

Existem muitos fatores que influenciam a latência, mas o principal é a quantidade de dispositivos intermediários que processam os pacotes de dados, a largura de banda entre esses dispositivos (incluindo roteadores e modems domésticos) e a distância física entre os extremos — porque a tendência é que distâncias maiores exijam mais dispositivos intermediários do que distâncias menores.

Por que a latência importa para o seu site

Seu site vai se beneficiar de latências menores porque o tempo entre o visitante apertar enter para fazer uma visita (ou clicar no link, etc) e ele receber o primeiro byte de informação também vai ser mais curto.

O Google, principal e talvez o único buscador relevante atualmente, também considera a latência como um fator de classificação dos sites nas páginas de resultados — SERP — e acredita-se que ele beneficie os sites com menos latência em relação aos mais atrasadinhos.

Latência não é tudo

Contudo, existe um outro fator muito importante nessa equação da velocidade dos sites, que é a largura de banda: não adianta o primeiro byte de informação chegar em 20ms no navegador do visitante se o servidor não dispões de largura de banda suficiente para entregar todo o conteúdo rapidamente.

A maldição dos “objetos externos”

Tampouco adianta ter uma latência ótima e largura de banda de sobra para poder entregar todo o conteúdo rapidamente ao visitante se o site sofrer da doença dos “objetos externos” que atrasam tudo.

Os principais vilões nesses casos são anúncios que atrasam a exibição da página, seja lá por qual motivo — e o Google Adsense não é exceção.

Outro tipo de problema comum são as web fonts que demoram a carregar (mesmo vindo de CDNs rápidas como a do próprio Google): quando mal utilizadas chegam ao cúmulo de não permitir que o visitante leia uma palavra sequer até que a fonte esteja carregada, o que pode nunca acontecer.

Não é nossa intenção ensinar nenhum designer a fazer o seu trabalho, mas adoraríamos que mais gente usasse as fontes nativas ou seguras para web (não dependem de nenhum recurso externo para ser exibidas), ou que fizessem mais uso de fallbacks — as fontes seguras são carregadas e o conteúdo é exibido com elas no caso de as fontes estilosas não baixarem.

Cabe mencionar também que imagens com dimensões acima das necessárias para a página em que estão, não tratadas para a web, também aumentam desnecessariamente o tempo de carregamento de uma página, e são um problema muito mais comum nos sites lentos do que a latência de rede.

Como a Cloudflare diminui a latência do seu site

No início falamos que a distância geográfica entre dois pontos de rede pode afetar diretamente a latência.

É exatamente este o motivo pelo qual a Cloudflare consegue reduzir, embora nem sempre, a latência dos sites que usam o seu cache.

Para entender melhor observe o mapa abaixo:

mapa com datacenters da cloudflare

Não se trata de uma representação da terra chata, mas sim da localização geográfica dos datacenters anycast da Cloudflare. O termo anycast indica que os IPs de uma rede são compartilhados por todos os datacenters, e quando uma requisição é feita para um deles o datacenter mais próximo vai servir a requisição, de modo a entregar o conteúdo no tempo mais curto. Lindo na teoria, e ótimo quando funciona (o que é quase sempre).

Observe que um dos datacenters está localizado na cidade de São Paulo. Assim, a teoria diz que quando alguém solicitar um recurso que esteja no cache da Cloudflare, se calhar de a pessoa estar relativamente próxima de São Paulo ela vai se beneficiar do fato de que este datacenter vai atender sua requisição.

Nem sempre é assim

Infelizmente nem sempre o anycast funciona da maneira que deveria. Isso porque é a operadora de Internet do visitante quem tem que fazer o roteamento dos pacotes para o datacenter correto.

Como é a operadora do visitante quem tem que fazer sua tarefa de casa para que as coisas funcionem corretamente, é fácil de imaginar que a falta de qualidade generalizada das conexões no Brasil se manifeste também neste detalhe. Triste, mas é a verdade.

Benefícios extra da Cloudflare

Além de diminuir a latência do seu domínio, quando as operadoras de Internet dos visitantes colaboram, a Cloudflare também funciona como CDN de todos os seus recursos, funcionando como uma camada de aceleração da entrega de conteúdo.

Além disso, na mão de usuários mais tecnicamente preparados, ela pode ser uma ferramenta de segurança muito útil, até mesmo no plano gratuito, a facultar o bloqueio a áreas do site que não devem estar abertas para ninguém (onde os hackers adoram inserir seus arquivos maldosos, quando conseguem invadir um site).

Aspectos negativos da Cloudflare

Embora a Cloudflare seja excelente para a maioria dos sites na Internet, principalmente os hospedados em servidores compartilhados, para usuários de servidores e dedicados da PortoFácil talvez nem sempre seja assim.

Compartilhamento de IPs

O primeiro problema que a Cloudflare pode trazer é o compartilhamento de IPs com domínios que a pessoa não faça a menor ideia de quais são.

Acontece que a Cloudflare atua como uma camada intermediária entre os visitantes e o servidor. Os visitantes acessam e requisitam tudo para a Cloudflare que se precisar repassa a requisição ao servidor. Com isso, os visitantes (e os bots) param de enxergar o IP do seu servidor como sendo o endereço do seu domínio, e o IP da Cloudflare é que passa a ser o do site. E é impossível de saber quem vai ser o seu “vizinho” de IP, a não ser pagando por planos exorbitantemente caros da Cloudflare.

Se você paga por IPs exclusivos para seus sites, mas usa o cache da Cloudflare na frente deles, você está desperdiçando o seu dinheiro.

Diminuição da segurança e instabilidades

Nossos servidores dedicados e VPSs contam com dispositivos avançados de segurança, principalmente para blogs em WordPress — devido à sua popularidade esta plataforma é muito visada por malfeitores que desejam obter controle de servidores alheios.

Para que os sites usando o cache da Cloudflare funcionem corretamente faz-se necessário baixar o nível de segurança dos sites, por causa dos IPs compartilhados da Cloudflare.

Também por isso, às vezes acontece de a Cloudflare tentar acessar recursos no servidor por IPs dela própria que são desconhecidos de nosso firewall, e aí ocorrem bloqueios e instabilidades difíceis de rastrear e resolver.

Há ainda a questão dos certificados SSL, que podem ser uma bênção ou uma maldição, dependendo do ponto de vista, mas este é um problema menor comparado ao compartilhamento de IPs e à instabilidade por atividade suspeita através da Cloudflare.

Como acelerar seu site sem precisar da Cloudflare

Como dissemos mais cedo, latência não é tudo. Se você quiser acelerar seu site há algumas outras medidas simples, e algumas você pode pedir diretamente ao suporte para agir por você.

Utilize o HTTP/2

Já faz tempo que o Google vem anunciando que sites com SSL vão rankear melhor, e que sites sem certificado de criptografia vão ser penalizados, mas muita gente ainda não se convenceu.

Nossos servidores (exceto os que usam cPanel) têm suporte a HTTP/2, e oferecemos certificados SSL gratuitos perfeitos para quem deseja posicionar-se melhor nas páginas de resultado.

Mas mais importante do que agradar ao bot, o HTTP/2 representa ganho de velocidade no carregamento das páginas por utilizar-se de tecnologias modernas que otimizam o envio dos diversos objetos que compõem uma página em uma única requisição, minimizando assim o impacto que uma latência mais alta possa vir a ter no tempo total de carregamento de uma página.

Otimize suas imagens

A Mônica, nosso bot sem o qual não conseguiríamos mais viver na PortoFácil, tem habilidades quase mágicas para otimizar imagens. Entretanto a Mônica não redimensiona imagens, o que é o principal problema relacionado a imagens desnecessariamente pesadas atualmente.

Mantenha seu site leve

Resista à tentação de enfiar tudo que é plugin que vir pela frente, todo tipo de script, pois tudo isso tem um preço. Um site devidamente otimizado, mesmo estando localizado no exterior, pode carregar completamente em menos de um segundo no Brasil caso seja observado o estrito respeito ao minimalismo do ponto de vista do código.

Avalie bem seus anúncios

Como dissemos mais cedo, muitas redes de anúncios atrasam enormemente o carregamento das páginas. Avalie bem cada caso, e escolha o que vai incluir nas suas páginas, pois nesses casos mesmo com latência zero suas páginas carregarão lentamente levando a punições e afugentando visitantes.

Vale a pena usar o cache da Cloudflare para diminuir a latência?

No fim, essa é uma pergunta que só pode ser respondida mesmo com um “depende” bem tranquilo.

Cada caso merece uma avaliação individual, e a decisão final sempre será do dono do site.

Mas se quiser ajuda para decidir, ou caso tenha ficado alguma dúvida com relação a este texto,  por favor entre em contato com o suporte. Teremos prazer em ajudar.

 

Quero ser cliente da PortoFácil!Contato

Compartilhe

Publicado por Janio Sarmento – 08 de junho de 2017, em CloudFlare